sexta-feira, julho 01, 2011

O fim...
Será como a gota d´água
a secar impassível ao calor do sol?
Ausência de memórias?
Ou todas elas avalanche a disputar
cada palmo da bruxuleante consciência?
Sou boneco de corda que sonha
sonhar encontrar o criador dos sonhos
Apertar-lhe a mão para sentir se
tudo não passa de um sonho
Ainda que meu coração — esse relógio de pulso
comigo a cada impulsiva batida dos segundos —
seja forte diante dos ecos de tão montanhosa nostalgia,
far-me-á um simplório vapor a deslizar suavemente na dissipação
Sem medo, sem alegria
Se ao fechar meus olhos
Eles se mantiverem abertos
Exaltarei as bodas do silêncio
Com elas sentir-me-ei um corpo oco de existência
Mas pleno de vida atrevid

Um comentário:

André Vianna disse...

O que acontecerá com a sua consciência no fim do seu tempo de vida eu não sei responder. Mas é certo que sua alma viverá eternamente gravada na tua poesia.

Abraços fraternos