domingo, agosto 05, 2012






























Não são poucos os pensamentos
No qual, converso, invadem pelo instante
antes, mesmo desconverso, sem me dar conta
do liso e escorregadio brilho da intenção

Só, sou apenas só
Nada fagulha enquanto silêncio
Raso e retilinio como vôo de pássaros
Memórias farfalham em perdas indefinidas

Alma, pedra calcária, sonhos desfeitos
Leito adormecido, cheiro de prata
Fogo que basta, lago nostálgico
Dorme profundo, longe de casa

2 comentários:

luísa ribas disse...

Eis o resultado da faculdade de pensar e esboçar em seguida, uma ideia que não só apenas é. Aconteceu e não se esquece.

Um beijo,
Luísa

luísa ribas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.