segunda-feira, novembro 13, 2006

(f)útil ?

Onde estavas com esses olhos adormecidos
Por tantas lascívias insatisfeitas?
Por quais caminhos dobrastes teus sonhos
Como quem dobra memórias na gaveta do inconsciente?
Acaso precisas de terreno maior do que alguns pés
para o sumidouro do teu corpo?

Das sombras sufocadas por patéticos clarões
Adormecemos sem noção do despertar
Secas folhas pisoteadas pelo tempo descalço
farfalham como se fora o mais alto brado,
um clamor rutilante de indefinível saudade
esmagada pelo repassar dos passos

Tudo isso é muito natural
São águas bravias a desdenhar o rumo dos homens
Idólatra de si próprio a fugir
do rugir das tormentas de seu interno oceano
Quão pequeno estou nessa gôndola que sou
Navego na certeza que cedo ou mais tarde
não mais flutuarei sobre o profundo que naveguei

2 comentários:

Silvia Paiva disse...

Oi moço
Passei para tomar café e saborear seus textos.
Parabéns!!!
Beijos

Lu Cavichioli disse...

Oi Soriano, passando, dizendo ALÔ e deixando um beijo!
Aproveitando para te ler também!

quando puder passa no meu bloguinho e deixe uma mensagem!
Beijo da Lu

http://namagiadomistico.blogger.com.br